Arte do Ourives

https://www.bestofitaly.net/wp-content/uploads/2020/09/iStock-540126594-scaled-e1602502226342-706x1024.jpg
https://www.bestofitaly.net/wp-content/uploads/2020/10/iStock-182152103-951x1024.jpg
https://www.bestofitaly.net/wp-content/uploads/2020/10/iStock-185006810-683x1024.jpg
https://www.bestofitaly.net/wp-content/uploads/2020/10/iStock-870978968-683x1024.jpg

 

Arte do Ourives

Feito em Itália, gosto de imaginá-lo como se fosse um ramo de flores, cada um com as suas próprias cores, os seus próprios aromas, as suas próprias características e peculiaridades fascinantes. Entre estas flores preciosas está a arte do ourives italiano, um líder mundial no campo. Qual é o termo ourives? O substantivo em questão refere-se ao processamento de ouro e outros metais preciosos, como, por exemplo, prata colorida e platina para obter obras artísticas. O ouro foi um dos primeiros metais a ser usado devido à sua maleabilidade e indestrutibilidade. Para tentar entender as origens da arte do ourives, você precisa enfrentar uma longa viagem através do tempo e do espaço. Desde os tempos romanos, por exemplo, o distrito de Torre del Greco era famoso pelo processamento de corais; No Renascimento, a cidade de Florença tornou-se a capital do processamento de metais preciosos. Chegamos aos tribunais da Itália pré-comunitária, onde o trabalho dos ourives era necessário para a criação de joias cada vez mais preciosas e particulares. E aqui, no início do século XX, a produção de ourives já não se limita à criação de joias simples, mas dá vida a verdadeiras obras de arte. Neste período, porém, continua a ser um sector maioritariamente de nicho, cujos utilizadores pertencem à classe abastada. O ar belle Epoque também afetou a indústria da arte do ourives, levando a um casamento bem sucedido com o estilo Liberty, que com a sua refinada inspiração retomou e prestou homenagem às formas da natureza. Um momento histórico importante para a arte do ourives é a Art Deco com os seus típicos cortes líquidos e inspiração modernista. Até à data, muitos ourives tomam a sua deixa do estilo acima mencionado, que sempre foi sinónimo de elegância e sofisticação equilibradas. Nos anos 80 Made in Italy experimentou uma explosão real; a joia tornou-se parte integrante da roupa diária e a produção italiana desempenhou um papel importante na ditadura dos tempos da moda e do consumo. A arte ourivesa italiana, que ganhou importante reconhecimento mundial, baseia-se e baseia-se no artesanato, na atenção aos detalhes, aos trabalhadores e à qualidade. Uma combinação perfeita de tecnologia, inovação e tradição tem sido consolidada ao longo do tempo, levando a excelentes resultados hoje. Como já escrevemos, a ourivesidade baseia-se no processamento de ouro e outros metais preciosos. O belo país desde 1998 é o maior transformador de ouro do mundo, será este também este recorde que contribui para o crescimento do sector em questão? O ouro de joalharia (se o stock for de 750 milésimos, ou 18 quilates), ou seja, o ligado a um ou mais metais para aumentar a sua rigidez tem uma coloração branca ou vermelha, dependendo do tipo de liga (prata ou cobre). No mercado, o ouro pode vir em cores diferentes. O ouro verde é composto por 75% de ouro, 12,5% de prata e 12,5% de cobre; Ouro amarelo 75% ouro, 12 – 7% prata, 13 – 18% cobre; Ouro Rosa 75% ouro, 6 – 6,5% prata, 18,5 – 20% cobre; Ouro Vermelho 75% ouro, 4,5% prata, 20,5% cobre. Quanto ao ouro azul, é uma isóia de ferro e ouro. Neste caso, um tratamento térmico oxida os átomos de ferro na superfície do ouro e dá-lhe a coloração azul. As joias White Gold são compostas por 75% de ouro, 25% de níquel, prata, paládio. Pode acontecer que a palavra ouro branco indique o ouro cinzento dos artigos de joalharia; Com a haste o ouro branco é coberto com uma fina camada de Rodio que desaparece do desgaste com o tempo, devolvendo o ouro à cor original: amarelo. Com o tempo, o ouro tornou-se um símbolo de pureza, valor e lealdade. “A razão para escolher diamantes é que, por mais densos que sejam, representam o maior valor no menor volume” Coco Chanel. Não podemos deixar de falar de diamantes quando se trata do tema da excelência do ourives italiano. Os diamantes são uma das formas aotropicais em que o carbono pode ocorrer; e consiste numa rede cristalina de átomos de carbono dispostos de acordo com uma estrutura tetraédral. Os diamantes são a modificação cristalizada do carbono puro, como se formaram ao longo de milhões de anos. Tal como o petróleo, considerado ouro negro, os diamantes são um mineral exaustivo. O mineral em questão está entre os mais difíceis de natureza; Para esta característica, o diamante só pode ser riscado por outros diamantes e é capaz de preservar o polimento por longos períodos. É possível, de facto, usar o diamante diariamente sem se preocupar em arruiná-lo. A operação de corte do diamante realizado em joias é tão delicada quanto difícil. A forma mais comum de corte de diamantes é a redonda chamada brilhante. Outros tipos de corte podem ser: corte cardíaco, oval brilhante, marquesa ou vaivém, huit – huit, gotejamento, esmeralda, carrè, baguete, trapézio, rosa holandesa, rosa (embora esteja agora quase em desuso). Muitas vezes o termo brilhante pode criar confusão. Quando usamos sozinhos, referimo-nos apenas a uma pedra redonda, mesmo sintética. Todas as joias, a este respeito, podem ser cortadas a brilhantes (rubis, safiras, topazi). Para reconhecer e dar ao diamante o valor certo é essencial confiar nos quatro C ‘s’ (referindo-se às iniciais dos termos em inglês): Cor (cor), Clareza (clareza), Corte e Quilate (peso). A rede Best of Italy tem como objetivo promover e potenciar as empresas que operam neste setor, que brilham por produtos de qualidade que não são comparáveis. A ourivesaria feita em Itália é muito mais do que um produto, é filha de uma longa e importante tradição que em alguns casos é transmitida de geração em geração. Cresça juntamente com luz, clareza e brilho. Este é o objetivo final da rede Best of Italy.

 

Scroll Up